Assembleia elege diretoria para período 2021-2024


Nos dias 7 e 8 de maio, a FIAN Brasil realizou sua 10ª Assembleia Ordinária. A sessão definiu a nova composição do Conselho Diretor da entidade, com mandato até 2024.

Enéias da Rosa e Norma Alberto foram reeleitos, respectivamente, para a presidência e a vice, enquanto Sonia Costa assumiu a Diretoria Financeira; Miriam Balestro, a de Articulação; e Lucas Prates, a de Formação. Delzi Castro e Suemelberne Alves de Lucena seguem à frente do Conselho Fiscal, que agora tem Célia Varela Bezerra como suplente.

Foi feito um breve balanço do Planejamento Estratégico Participativo 2017-2020, prorrogado até o primeiro semestre deste ano. Grupos de trabalho conheceram e aprovaram as linhas de atuação do novo PEP trienal, e os ajustes propostos serão detalhados nos próximos meses.

Duas novas e um novo integrante foram anunciadas/os para a membresia: Inara do Nascimento Tavares, Edgard Amaral e Mariana Wiecko.

Tavares leciona no curso de Gestão em Saúde Coletiva Indígena no Instituto Insikiran de Formação Superior Indígena, da Universidade Federal de Roraima (UFRR), e integra a Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional. Amaral pesquisa políticas de ações afirmativas e segurança alimentar. É coordenador nacional da Comissão de Soberania e Segurança Alimentar dos Agentes de Pastoral Negros do Brasil (APNs). Wiecko pesquisa soberania alimentar e mulheres indígenas no Brasil e na Argentina. Trabalhou na Coordenação Geral de Povos e Comunidades Tradicionais (CGPCT) do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS).

Conjuntura e homenagens

Na abertura, a secretária-geral da FIAN Internacional, Sofia Monsalve, falou sobre a conjuntura global, ao passo que o cenário brasileiro foi abordado por Maria Emília Pacheco, da Fase. Francisco Menezes, do Fórum Brasileiro de Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (FBSSAN), fez uma exposição sobre trabalho, renda e o Dhana.

Além da Comissão Pastoral da Terra (CPT), foram homenageadas as seguintes pessoas: Írio Conti, Enéias da Rosa, Valéria Burity, Flavio Valente, Luciano e Cristina Wolf, Dieter e Nadir Metzner, Jônia Rodrigues de Lima, Célia Varela Bezerra, Jorge Peralta, Mariza Rios, Rolf Kunneman e Sônia Costa.

Pela construção do Dhana no Brasil, a homenagem institucional voltou-se ao FBSSAN e ao Consea Nacional. Também foram homenageados Flavio Valente, Deborah Duprat, Edelcio Vigna (in memoriam), Maria Emília Pacheco, Sônia Lucena, Elza Maria Braga, Valéria Burity, Miriam Balestro, Luciano Mariz Maia, Elisabetta Recine e Írio Conti.

A assembleia teve apresentação musical de Vanessa Soares e Leo Araújo.

Evento chama atenção para violações de direitos no Vale das Cancelas

Em parceria com as comunidades do Vale das Cancelas e movimentos locais, a FIAN Brasil lançou em 28 de maio a publicação digital e impressa O Modo de Vida Geraizeiro e o documentário Nossa Vida É nos Gerais, de produção própria.

O evento virtual foi realizado como um momento de incidência em que as lideranças geraizeiras puderam relatar o que tem ocorrido no território e apresentar demandas ao poder público. O ato contou com a participação da defensora pública estadual Ana Cláudia Alexandre, do defensor público da União João Márcio Simões, do deputado federal Padre João (PT-MG) e da deputada estadual Leninha (PT-MG), além de membros da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento de Minas Gerais (Semad) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), bem como das organizações parceiras (MAB, CPT, CAA e Coletivo Margarida Alves).

“Todo momento em que as comunidades podem ser ouvidas por autoridades públicas é muito importante, porque a realidade do território é de constante violação de direitos”, ressalta o assessor de Direitos Humanos da FIAN Brasil Paulo Asafe. “E atualmente o povo geraizeiro do norte de Minas vive uma situação muito complicada, em que vê o licenciamento do maior projeto de mineração da América Latina receber uma espécie de aval do Ministério Público de Minas Gerais, que assinou um termo de compromisso com a empresa Sul Americana de Metais sem dialogar com a comunidade.”

A FIAN Brasil apoiou a redação de um documento que foi entregue simbolicamente às autoridades presentes e será enviado a demais órgãos federais, estaduais e municipais. As reivindicações das comunidades geraizeiras incluem a impugnação do acordo firmado, além de políticas de proteção sanitária, de respeito ao território e de desenvolvimento da agricultura familiar na região.